© 2023 por SM Comunicação. 

Photo by Philipp Birmes from Pexels

Buscar
  • Stenio Moura

GA&N SUMMIT 2019. O jogo está só começando.


Começo esse artigo com a frase de fechamento do GA&N SUMMIT 2019, dita pela homenageada da noite, Márcia Esteves, nova CEO da LewLara\TBWA: "O nosso mercado não vai acabar. Ele está só começando....e começando de um jeito muito melhor".


Essa frase resume bem o que foi o GA&N SUMMIT 2019. Um evento que, como disse em um dos intervalos ao Robert Fishill, presidente do GA&N, subiu, e muito, o nível da conversa e profundidade na análise do que está acontecendo no mercado hoje, porém de uma forma muito propositiva, diferente do que tenho visto nos eventos de mercado e também no próprio GA&N, que sou associado desde 2017 e, desde então, frequento as provocações encontro de líderes e Summits.


Antes de falar do conteúdo, um breve elogio à estrutura, excelência operacional do evento, internet de alta velocidade para os palestrantes que entraram por vídeo conferência e, um elogio principalmente ao respeito por todos os convidados e participantes com relação ao horário. Uma pontualidade que não via em um evento há muito tempo, juro. Impecável!


Dito isso, vamos ao conteúdo, que começou pontualmente às 9h com a entrada por vídeo conferência de Sir Martin Sorrell, fundador da WPP e hoje fundador e sócio da S4 Capital (https://www.s4capital.com/about.html). O início não poderia ter sido melhor para o evento que se propunha a discutir o futuro, mas não só isso, a modelá-lo. Imagina você iniciar a discussão com um homem de negócios que, aos 74 anos, está se reinventando, depois de ter inventado tanta coisa, inclusive o modelo que estamos tentando reinventar agora. Entre muitas coisas interessantes, que podem virar um artigo inteiro, Sir Sorrell foi enfático em alguns princípios que leva hoje em sua nova empresa e que também aconselha a todos.


Porém, dois deles me chamaram bastante atenção:


1- São puramente digitais, porque acreditam que devem focar onde o crescimento está e no novo. Porque é o novo que o levará para o avanço e futuro. Sorrell disse uma frase emblemática sobre isso: "...Temos que deixar o antigo para trás..."


2- Metodologia "Faster, Better and Cheaper", o que significa o que você imaginou mesmo. Cultura de start-up na veia. Como fazer rápido, testar, aprender, conhecer bem o contexto e diagnosticá-lo com precisão e, fazer tudo isso, de forma muito eficiente (baixo custo operacional). Nesse ponto Sir Martin também reforçou: "Não somos uma holding e nem temos uma cadeia de empresas", reforçando que trabalhar com estruturas menores e mais focadas geram resultados mais relevantes e impactantes.


"Faster, Better and Cheaper"

Depois de Sir Martin Sorrell, uma sequência que, confesso, me impressionou muito. Não pela expectativa que eu já tinha porque são nomes super relevantes e importantes no mercado, mas porque todo o conteúdo, retórica, formato e amarração do evento propiciou uma experiência única. Mais um golaço para a organização!


Subiram ao palco Bob Wollhein (CSO da CI&T), Eduardo Simon (CEO da DPZ&T) e Fernanda Antonelli (Diretora Geral da W+K). Essas três autoridades falaram sobre as Transformações dos Líderes, Reinvenção e Modelo Indie, respectivamente. Muito conteúdo, cases e inspiração, mas se puder deixar uma sentença que resume bem esses 90 minutos é: "Para modelar o futuro, como profissional de negócios, você precisa de uma mudança profunda no seu modelo mental para aceitar que não sabe de tudo. Exercite a humildade e apaixone-se pela jornada, pelo processo, considerando que precisa cada vez mais estar perto dos negócios dos clientes. Entenda profundamente suas necessidades e as necessidades dos clientes, não ficando o tempo inteiro implorando por um briefing que não vai chegar pedindo aquilo que se precisa, porque nem mesmo o cliente sabe ao certo o que precisa. E mais, faça tudo com um amor inabalável e com foco total nas pessoas, respeitando-as sempre, para que você cause uma verdadeira diferença no negócio das marcas, assim como a W+K faz com Nike, desde sempre, para uma marca que odiava publicidade"


Mude seu modelo mental. Não espere que te digam o que fazer. Faça tudo com um amor inabalável.

Depois dos três, foi a vez de iniciarmos a jornada dos dados, que já havia sido pincelada pelos palestrantes anteriores, é verdade. Mas, um capítulo à parte aos 30 minutos de Vicente Varella, VP de Mídia e Dados da LewLara\TBWA, para falar de Modelagem de Audiências - Ah, as audiências.... Já tinha visto parte desse conteúdo em uma das aulas (a melhor delas) do curso de 8 dias do Digital Business Update, também promovido e organizado pelo GA&N e, mais uma vez, Vicente, com quem também tive oportunidade de trabalhar por alguns meses na iD\ em um projeto específico, deu um banho de conteúdo, conexões, insights e provocações de até onde os dados podem ir e qual a maturidade digital de cada empresa. Mas, o mais importante que gostaria de deixar aqui da parte que ele conduziu é que devemos ser todos (não somente nós de negócios) especialistas em consumidor e não um monte de gente querendo ser dono de dados. Não é sobre isso. Ainda é sobre consumidor. Dados são sinais deixados por consumidores, e o que importa é sabermos ler esses sinais para criar, a partir deles, as melhores campanhas que acompanham o contexto e não oportunismos gerados por algoritmos.


Cancele o algoritmo e entenda dos contextos e dos consumidores. Questione!

Antes de irmos para o almoço, veio o tapa na cara de uma audiência branca e elitizada, com potenciais CEOs em alguns anos provavelmente. Dilma Campos, CGO da Outra Praia, agência de Live MKT, falou sobre Valor da Pluralidade na Geração de Negócios. E assim, sem mais delongas, a diversidade de pessoas e pensamentos geram lucro. Aliás, geram mais lucro do que termos um pensamento unificado e padronizado dentro das nossas estruturas. Ela também abordou um assunto que me interessa muito, que é o processo de seleção. É aí que você vai igualar as oportunidades. Ou seja, ao invés de sempre abrir o processo de seleção filtrando as universidades de elite primeiramente, porque não mudar essa lógica e trazer universidades mais "populares" onde encontraremos a diversidade que também não está nas universidades citadas acima? Para deixar um recado bem claro, além das informações que estamos ouvindo todos os dias e lendo, a maior provocação para mim e que me fez ir almoçar com o estômago embrulhado foi uma frase que ela disse. Algo como: "Falamos sobre esse assunto o tempo inteiro nesses tempos, debatemos sobre os dados, melhora na economia com diversidade, e muitos outros temas relacionados a esse macro tema. Mas o que de fato estamos fazendo?" Sério, isso mexeu comigo. Precisamos exercitar no nosso dia a dia essa mentalidade que já trouxemos para o discurso completo. Pense nisso!


A diversidade e igualdade de oportunidades começa no processo de contratação. Pense nisso.

Esse foi só metade do dia. Imagina o que vem pela frente.


Bom, voltando do almoço, começamos a falar sobre o auto-conhecimento e a busca por propósito dentro das nossas carreiras, antes de voltar novamente para dados.

Para isso, duas pessoas me impressionaram muito por tratarem de assuntos que sou entusiasta. Graziela di Giorgi, CGO da Scopen, tratou sobre "O que é longo prazo em um mundo de mudança frequente?" e a Carol Romano, Sócia Fundadora da Maker Brands Consultoria de Inovação, que falou sobre "A Ciência do Bem-Estar". Sério, ficaria por uma semana nas palestras delas. A primeira falou muito sobre como viver em um mundo VUCA (Volatility, Uncertainty, Complexity, Ambiguity) onde cada vez é mais importante ter foco, visão e objetivos claros com prazos determinados, e claro, tratou sobre a Teoria do Flow de Mihaly Csikszentmihalyi - vale a googlada! E, no fim, deixou a seguinte provocação: "Mais do que se preocupar com a nossa presença no mundo, precisamos nos preocupar com a não presença no mundo." A Carol me arrepiou do começo ao fim. Ela começou provando como a felicidade impacta diretamente nos resultados. Poxa, aí me pega no coração. Quem me conhece sabe que proclamo há pelo menos uns 3 anos que a felicidade é a gente que contrói e que, se você ficar condicionando a sua com os acontecimentos externos, você viverá em uma constante montara-russa de emoções. Por isso, celebre cada momento, cada conquista, e tenha a sua própria régua de comparação, porque você verá que crescerá dia após dia. E aí, deixou 4 passos para construir bem-estar em uma empresa (CONCORDO COM TODOS)


Emoções Positivas (Celebrar cada conquista, cada passo dado, mesmo que seja uma derrota, porque como diz Barack Obama: "Em uma batalha ou você ganha ou você aprende" - a derrota e o fracasso virão, mas como você pode aprender com elas?)Foco nas habilidades (Sem tensão não há evolução)Growth Mindset (ter uma mente que valoriza o aprendizado e é generosa consigo mesmo para dizer que ainda não chegou lá e precisa sempre aprender)Segurança Psicológica (O primeiro ponto que leva as equipes a serem mais produtivas, são as que tem vínculos fortes fora da empresa e confiança para falarem o que pensam e perguntarem sem medo de julgamento).


O otimista sabe que está passando por um momento difícil, sabe que vai passar e que haverá aprendizado.

Não nessa ordem, vieram duas palestras que, literalmente me tiraram o fôlego. Professor Jaakko Tammela (Group Director da Accenture Interactive) e Marcelo Pascoa - Global Head of Marketing Burger King. Entendi porque o primeiro está revolucionando a forma de pensar negócios através de uma mentalidade de design, com teorias e práticas impressionantes, e o segundo está batendo todos os recordes de criatividade junto com suas equipes no mundo, inovação em comunicação e ousadia nas iniciativas, fazendo voltar o brilho do olho daqueles que escolheram esse mercado porque acreditavam que podiam fazer a diferença.

Jaakko foi um mergulho profundo em informação, dados, insights, como o design é negócio puro e entrega para resultado financeiro em todas as camadas da jornada de construção de uma marca, campanha. Business puro. A apresentação dele foi tão frenética que não consegui anotar de tão impactante e acelerado que foi. Mas deixo a foto de um dos slides que consegui capturar (também foi difícil tirar fotos nesses 30 minutos frenéticos) que resume bem o que ele falou ao longo da apresentação.



Já Marcelo nos presenteou com alguns cases para exercitarmos nosso poder de ousar mais e ir além. SEMPRE conectados com os valores das empresas para quem trabalhamos e nunca aleatoriamente. Uma lição importante que ele deu foi: TENHA SEMPRE UM ADVOGADO AO SEU LADO na hora de criar as campanhas, porque eles são seus aliados para prever problemas e solucioná-los para ter uma campanha legalmente viável e criativamente eficiente. Aí vai a lista de cases (a maioria do Burger King):


Essa Coca é Fanta: https://www.youtube.com/watch?v=aiyoy2A7kPo

Alimente seus pesadelos! (BK): https://www.youtube.com/watch?v=DU8YbpmrC_4

Burn that Ad (BK): https://www.youtube.com/watch?v=lhXW8_7CaHM

Whopper Detour (BK): https://www.youtube.com/watch?v=CDhC6LsAJgM


Confie nos seus parceiros. As pessoas que trabalham para a sua marca, deveriam ser pessoas que compartilham os mesmos valores que os seus.

Para encerrar o evento, antes da homenagem ao profissional do ano que marcou o mercado em 2019, falaram também Google, Globosat, GLOBO e Verizon. Todas com discursos muito parecidos em relação à parceria de negócios entre anunciantes, agências, veículos e fornecedores, considerando, além de dados, entendimento de audiências, comportamento do consumidor e, principalmente, como estamos nos preparando para a LGPD de Agosto/2020.


Porém, o que mais me chamou atenção nessa parte é o tão esperado 5G no Brasil, que tem sua licitação marcada para final de 2020 e já promete causar inúmeras mudanças não só no nosso estilo de vida, mas também na forma como a comunicação é feita. Não vou falar nada sobre, porque assistindo aos dois vídeos abaixo, você entenderá do que estou falando. Não temos ideia ainda do que está por vir. Só sabemos que é grande!


Helping Doctors Fight Cancer: https://www.youtube.com/watch?v=5xsg15c8sfM

Smart Glasses North (Sabe o E.D.I.T.H. que Tony Stark deu ao Peter Park? Então): https://www.youtube.com/watch?v=a7yRNqnJdTY&t=112s


Como disse no início, foi um GA&N SUMMIT de tirar o chapéu. Formato incrível, conteúdo inspirador e super relevante, excelente estrutura e organização impecável.


O que nos fica como lição disso tudo é que, de fato, como disse a Márcia, esse é o começo do jogo. Sim, do NOVO JOGO que começaremos a jogar a partir de agora com nova realidade em relação aos dados, às conexões com a chegada do 5G (olha que a China já começou as pesquisas para o 6G, então deve ser tudo bem rápido) e também em relação à nossa atuação dentro dos negócios. Digo nossa atuação para os profissionais de negócio. E aqui vai uma provocação.


Ser um profissional de negócios, como sempre prego aqui e em todos os lugares que trabalhei, é para todos os profissionais, não importando o departamento. Em um tempo que precisamos cada vez mais operar em metodologia Mandala, com equipes multidisciplinares e com profundo entendimento do negócio do cliente, não cabe mais em um SUMMIT como o de hoje, ter pessoas só do chamado "Atendimento". Hoje, especialmente, era para todos.

Quero muito ver mais pessoas de outras áreas frequentando o GA&N ao longo do ano porque a inspiração precisa ser para todos. (Assim como eu também passarei a frequentar mais encontros de criação, planejamento e mídia). Chegou a hora de romper as barreiras e entrar de vez no mundo da COOPERAÇÃO.


Ah, se não ficou convencido, Sir Martin Sorrell já prometeu estar novamente em 2020. Quem sabe presencialmente dessa vez. Bora pagar pra ver?



Stenio Moura

Business Leader

2 visualizações