• Stenio Moura

Sobrevivendo no mundo do excesso.


Começo essa newsletter refletindo sobre o momento atual no qual vivemos. O mundo do excesso.

Excesso de informação. Excesso de oportunidades. Excesso de distrações. Excesso de cobrança.

O excesso mexe com alguns dos nossos pecados capitais como luxúria, gula, avareza e inveja e, por isso, talvez esteja tão ligado a nós.

Luxúria: paixão pelo poder e pelo dinheiro. Soberba: orgulho em excesso. Gula: cobiça por ter sempre mais. Avareza: excesso de apego a bens materiais. Inveja: desejo excessivo por tudo que e do outro.

Vivemos em um mundo de abundância onde temos cada vez mais possibilidades. Um mundo onde somos convidados, o tempo inteiro, a não perder nada e a consumir tudo o que for possível, no menor tempo possível. Não podemos deixar passar as oportunidades.

Porém, não adquirimos esse comportamento do dia para a noite e, muitas vezes, nem temos consciência que isso está acontecendo. Simplesmente porque vamos vivendo a vida sem objetivos muito claros e sem um plano para alcançá-los.

Assisti ontem o Filme King Richard, estrelado pelo Will Smith e, uma das maiores lições do filme que ficou para mim é que quando sabemos onde queremos chegar e temos um plano, temos mais discernimento para dizer os "nãos" que precisamos às distrações e às "belezas" que o mundo nos apresenta a todo tempo.

Em meus treinamentos costumo mencionar um dado interessante sobre o volume de informações disponíveis atualmente. O jornal The New York Times produz hoje, em um único dia, o mesmo volume de notícias que produzia ao longo de um ano inteiro na década de 70. Ou seja, sabe qual a chance de conseguirmos acompanhar a velocidade da informação hoje em dia? Isso mesmo, ZERO.

Daí que surge o conceito de F.O.M.O. (Fear of Missing Out, em tradução livre, medo de perder algo). Vivemos com esse sentimento constante de que estamos perdendo algo. E de fato sempre estaremos.

Porém, se não soubermos o porquê fazemos o que fazemos, esse sentimento jamais irá embora. E é essa a chave para sobrevivermos ao mundo do excesso.

Muitas informações chagarão. Convites "irrecusáveis" também. Você receberá projetos, tarefas, demandas, todo tipo de tarefa que poderá ser aceita ou não.

Claro que, a depender do contexto que você está, algumas você não conseguirá dizer não, simplesmente porque será algum famoso "top down" da diretoria.

Porém, meu convite a você é que olhe para as área das sua vida e comece a colocar

objetivos para cada uma.

Esse é um processo simples mas que precisa de dedicação e foco. Você precisa parar e olhar para cada uma das áreas e entender o seu estado atual e o seu objetivo a curto, médio e longo prazo.

A partir do momento que você souber para onde está indo, ou para onde quer ir, montar um plano para chegar até lá será menos penoso e mais prazeroso.

Claro que planos foram feitos para se moldarem conforme caminhamos e, por isso, a sabedoria da música do Titãs que diz: "é caminhando que se faz o caminho".

Essas cartas que escrevei por aqui serão para reflexão e também para que você comece a colocar em prática algumas recomendações.

Por isso, gostaria de propor um primeiro exercício.

Das áreas da sua vida listadas abaixo, dê uma nota de 0 a 10 em relação ao momento atual.

Saúde: como está sua alimentação? Tem feito exercícios físicos pelo menos 3x por semana? Como está seu sono? Dorme bem e pelo menos 7h por noite? Bebe pelo menos 2L de água por dia?

Família: como está a relação com os seus familiares mais próximos? Tem encontrado ou falado regularmente com eles? Tem se conectado com as suas origens e lembrado de onde você veio? Entende o papel dos seus pais no seu desenvolvimento?

Relacionamentos: como estão seus relacionamentos em geral com amigos e familiares? Tem dedicado tempo para conversar, trocar experiências e ouvir os outros?

Autodesenvolvimento: tem dedicado tempo para estudo e autodesenvolvimento? Quanto? Tem estabelecido uma rotina de aprendizado?

Carreira: Tem planos para sua carreira? Onde você gostaria de estar daqui a 6 meses? Qual cargo? Qual salário? Qual realidade? Como estão suas entregas atualmente? Tem obtido resultados e batido as metas?

Financeiro: Possui uma renda equilibrada, ou seja, gasta menos do que ganha? Não estou falando aqui de ter investimentos diversificados, nada disso. Apenas se concentre no passo 1 da educação financeira, gastar menos do que ganha.

Contribuição Social: tem feito algum tipo de caridade para aqueles que tiveram menos privilégios que você? Como tem contribuído com os seus talentos no dia a dia e em obras maiores?

Hobbies: tem dedicado tempo para se desconectar um pouco do trabalho e praticar algum hobby? Tocar algum instrumento, praticar algum esporte, assistir a uma série ou filme, ler um livro que gosta

Espiritualidade: quanto tempo tem investido para fechar os olhos, parar e agradecer? quanto tempo tem investido por dia para refletir sobre suas ações e o que poderia ser diferente e melhor? Como diz o Padre Fábio de Melo, "moramos pouco em nós". E, eu acredito que, por isso, exercitamos pouco o autoconhecimento. Você tem buscado ao autoconhecimento com qual frequência?

Deu as notas para o seu momento atual em cada uma das áreas? Como você está em cada uma delas? Satisfeito(a)?

Agora coloque ao lado a nota que gostaria de chegar em 6 meses em cada uma delas.

Não precisa querer chegar em 10 em tudo, afinal de contas, não somos 10 o tempo inteiro em tudo. Somos humanos e não máquinas.

Pronto. Esse é o primeiro passo. O da consciência.

Agora, com consciência, podermos seguir adiante, carta a carta, construindo a sua produtividade humanizada, ou seja, a trajetória que faz sentido na sua vida, buscando aquilo que você quer e não o que o sistema ou a sociedade te impõe.

Vamos juntos?

Deixe seu comentário para eu saber como seu progresso acontecerá. Vamos conversar.

Abs Stenio Moura

0 visualização0 comentário